sábado, 31 de janeiro de 2015

Janeiro


Observamos o leme cortar o mar
Velejando noite a dentro
Estiramos as velas
Guiando-nos até a ponte


Velejamos em direção à terra
Aportando nas pedras grandes, areias escuras
Vadeamos pela praia
Que bagunça!
Infernal

Lá eu me encontrei
Agradecendo eternamente
Abrigado em uma casa improvisada
E ali nós dormimos
A tempestade acalmava