sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

O Recluso

Ele mora sozinho.
Ele não tem amigos.
Ele tem dinheiro, sacos e mais sacos do mesmo.
Ele sabe que sempre estará sozinho.
Ele sabe que vai morrer sozinho.

Ele sempre soube que seria assim.
Ele nunca sentiu pena de si mesmo.
Não há sequer uma alma no mundo que pensaria duas vezes se ele morresse.
Nenhuma lágrima seria derramada por ele.

Não há ninguém que se preocupe com ele.
E o mais engraçado é que ele não se recorda de jamais ter havido alguém que se preocupasse.

Ele sempre rejeitou esses tipos de pensamentos antes;
O que será que os estão trazendo à mente agora?
Será que surgiu uma espécie de arrependimento diante de sua morte iminente?

Ele nunca se apaixonou.
E, até onde ele sabe, nunca foi amado por uma mulher.
Aqui e ali, ele conheceu algumas.
Algumas mais belas, sentiu enorme desejo carnal;
Mas amor, não.
Nunca se envolveu mais do que isso.

No buraco negro que é sua mente,
Houve sempre uma vaga idéia de que um dia,
Ele iria encontrar a mulher que ele esteve sempre procurando.
Ele provavelmente iria sossegar e ter um belo casal de filhos.
Mas, novamente, ele sabia que era loucura manter tais idéias em sua cabeça.
Porque ele está destinado a ficar sozinho.
Até o fim.

Ele já está de fora do resto da humanidade.
Ele é um recluso.
É tarde demais para começar a viver do jeito que ele sonhava..
Não é algo que ele escolheu para si mesmo;
É apenas a forma em que a vida o tratou.


3 comentários:

  1. O típico ranzinza que se arrepende no fim da vida. Bom texto.
    Abç

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez ele quisesse esta vida desde o começo, por medo de se envolver com alguém. O medo de se envolver com alguém era maior que o de ficar sozinho.

      Excluir